quarta-feira, 29 de maio de 2013

Cultura afro-brasileira: Luiz Gama, Luíza Mahin, João de Deus, Lucas Dantas, Manuel Faustino, Luís das Virgens e João Cândido. Herois Negros no Livro dos Heróis da Pátria no Panteão da Liberdade

Quem foi Luiz Gama    
Poeta, rábula (advogado sem diploma), jornalista, ex-escravo, abolicionista baiano, Luiz Gonzaga Pinto da Gama foi um dos maiores líderes abolicionistas do Brasil. Nasceu no dia 21 de julho de 1830, em Salvador,  Bahia. 
     Luíza Mahin

"Sou filho natural de negra africana, livre, da nação Nagô, de nome Luísa Mahin, pagã, que sempre recusou o batismo e a doutrina cristã. Minha mãe era baixa, magra, bonita, a cor de um preto retinto sem lustro, os dentes eram alvíssimos, como a neve. Altiva, generosa, sofrida e vingativa. Era quitandeira e laboriosa." Luíz Gama em suas notas biográficas, sobre sua mãe. 

Luísa Maheu ou Luísa Mahin pertencia à tribo Mahi, povo habitante dos atuais  Benin,  Togo, Gana e regiões vizinhas, praticantes da religião islâmica ou muçulmana (veja no mapa). No Brasil ficaram conhecidos como malês, que no Iorubá significa islâmico,  termo que designava os  negros muçulmanos que sabiam ler e escrever em língua árabe, e   muitas vezes mais instruídos que seus senhores. 


Gama advogou gratuitamente  
para os escravos


Para saber mais sobre Luíz Gama e sua mãe, Luíza Mahin,  bem como sobre joão Cândido, o Almirante Negro, que comandou a Revolta da Chibata, no Rio de Janeiro,  em 1910, acesse o link e veja a apresentação em Slides, que organizamos e postamos no site do SlideShare. Imperdível!

Clique aqui 


Revoltas Populares no Período das Regências:  

A Sabinada e  a Revolta dos Malês na Bahia 


O século XIX foi marcado por muitas  revoltas  para libertar o Brasil de Portugal, principalmente no período das Regências, quando D. Pedro II aguardava completar a maioridade para governar o país.  Na Bahia destacamos a  Revolta dos Malês (1835) e   a Sabinada (1837),  na capital,  onde metade da população era formada por  escravos ou libertos, vindos dos mais diversos lugares e  culturas da África.  
Assista ao  vídeo

Revolta dos Malês 180 Anos

Sabinada  na Bahia (1837) -  Os "sabinos" proclamaram a República Bahiense e ocuparam o poder na Bahia, embora, por pouco tempo. 

Para saber mais sobre esses movimentos libertários na Bahia do século XIX, acesse a apresentação em slides que organizamos e postamos no site do SlideShare.  
 Clique aqui

Veja também o terceiro bloco de slides que organizamos com os conteúdos descritos no título deste post e que trata da Revolta dos Búzios. Clique aqui

http://www.slideshare.net/claudiamartinsemconexao/a-revolta-dos-bzios-ou-revolta-dos-alfaiates-ou-conjurao-baiana-de-1789-22386709



A Conjuração Baiana de 1798 ou Revolta dos Búzios foi um  movimento  de  emancipação política  e abolicionista  que explodiu em Salvador, Bahia,  em 12 de Agosto de 1798.

A Importância histórica e política da  Revolta dos Búzios 

A historiografia oficial fala muito em Tiradentes, o herói da Inconfidência Mineira  de 1789,  que é festejado todo 21 de Abril. Mas quem conhece a história da Revolta dos Búzios ou Guerra dos Alfaiates ocorrida na Bahia  entre os dias 12 e 25 de agosto de 1798 ?  Quem conhece a história de seus líderes negros: Lucas Dantas (soldado), Manuel Faustino (aprendiz de alfaiate), Luiz Gonzaga das Virgens (soldado) e João de Deus (mestre alfaiate) ? 

A Conjuração Baiana de 1798 ou Revolta dos Búzios.  João de Deus, Lucas Dantas, Manoel Faustino, Luiz Gonzaga das Virgens e Cipriano Barata:  heróis  da Revolta dos Búzios. 
Veja os slides que organizamos sobre o assunto. Clique no link abaixo:  

João Cândido Felisberto (1880-1969), militar brasileiro da Marinha de Guerra do Brasil, que liderou  Revolta da Chibata,  no Rio de Janeiro,  em 1910, conhecido como  "Almirante Negro ".

  
"Nós, marinheiros, cidadãos brasileiros e republicanos, não podemos mais suportar a escravidão na Marinha brasileira".


Trecho do ultimato dado pelos marinheiros revoltos, ao Presidente do Brasil, Marechal Hermes da Fonseca, em 22 de Novembro, de 1910. 

Acompanhe  a letra da música, assista ao vídeo -  O Mestre Sala dos Mares, de autoria do compositor brasileiro  João Bosco, que o homenageia. 

Há muito tempo nas águas da Guanabara

O dragão do mar reapareceu

Na figura de um bravo feiticeiro

...A quem a história não esqueceu

...Conhecido como navegante negro
 http://www.vagalume.com.br/joao-bosco/o-mestre-sala-dos-mares.html

Clique aqui 

As informações completas sobre João Cândido e a Revolta da Chibata, bem como sobre Luiz Gama e sua mãe, Luíza Mahin,  você pode ver na apresentação em slides, que organizamos e postamos no site do Slide Share.  Clique aqui

Personalidades Negras no Livro dos Heróis da Pátria 



O nome de  Luis Gama pode ser  escrito  no Livro dos Heróis da Pátria,  somando-se  aos já inscritos. O Projeto de Lei  está no Senado, cumprindo os ritos legais.  A historiografia contemporânea considera que todos nós  fazemos  História, ou seja, somos todos sujeitos históricos.  Luis Gama fez história. Ele  merece!   Ouça o áudio da EBC - Agência Brasil, falando sobre os  registros do lote de  10 nomes, que somaram 20 no total, diz: "Panteão da Pátria é reaberto após obras de reforma.   O Livro dos Heróis da Pátria ganhou mais 10 assinaturas de personalidades da história do Brasil".  http://www.ebc.com.br/2012/09/panteao-da-patria-na-praca-dos-tres-poderes-e-reaberto-apos-obras-de-reforma

Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves. O Livro dos Heróis da Pátria 

O Panteão da Pátria e da Liberdade foi  inaugurado em 7 de setembro de 1986, tendo sido  construído pela Fundação Bradesco e doado ao governo brasileiro.
A arquitetura modernista do edifício que  simboliza  uma pomba foi projetada pelo arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer entre 1985 e 1986.  Fica na  Praça dos Três Poderes, em Brasília.   Possui três pavimentos somando uma área construída total de 2 105 m²  (foto acima).

Seu objetivo é homenagear todos aqueles que se destacaram em prol da pátria brasileira. Ao contrário de outros panteões,  não contém túmulo de nenhum dos homenageados.  Não se trata, portanto,  de um mausoléu, mas de um  "cenotáfio", significando um memorial fúnebre erguido para homenagear alguma pessoa ou grupo de pessoas cujos restos mortais estão em outro local ou estão em local desconhecido. 

Os nomes dos homenageados  estão registrados  no "Livro de Aço" (foto), também chamado "Livro dos Heróis da Pátria", o qual lhes confere o status de "herói nacional". Toda vez que um novo nome é gravado nas página de aço do livro,  juntamente com sua respectiva biografia, uma cerimônia in memoriam ao homenageado é realizada.

Todos temos nossos  heróis, que muitas vezes estão bem pertinho de nós. A cultura de massa dos dias atuais nos oferece muitas personalidades colocadas em pedestais para serem idolatradas e imitada, mas são celebridades e não heróis de verdade. Seus  comportamentos não são merecedores de imitação. É tarefa dos adultos mostrar  para as crianças e os jovens quais ações  e pessoas merecem ser admiradas e  honradas. 

Agencia Senado. Clique aqui para mais informações sobre os inscritos. 

Referências (sites acessados em 27/05/2013):

Para acessar as referências completas, acesse a apresentação que organizamos e postamos no site do SlideShare, onde falamos  sobre Luíz Gama, sua mãe, Luíza Mahin, João Cândido, o Almirante Negros, que liderou a Revolta da Chibata, no Rio de Janeiro, em 1910.
Clique aqui             ou no link   abaixo: 

A Sabinada e a Revolta dos malês. Veja os slides que organizamos e postamos no site do SlideShare:

A Conjuração Baiana de 1798 ou Revolta dos Búzios.  João de Deus, Lucas Dantas, Manoel Faustino, Luiz Gonzaga das Virgens e Cipriano Barata:  heróis  da Revolta dos Búzios 

NUNES, Antonietta D’Aguiar. “A Revolta dos Búzios foi a primeira revolução social do país”. Disponível em:
Instituto Búzios. Conjuração dos búzios. A conjuração baiana de 1798. Revolta dos búzios: liberdade, fraternidade, igualdade. Disponível em:

Acessos  em: 02/06/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poste seu comentário sem palavrões ou ofensas. Obrigada